• (11) 3522-9515

Tratamento Parkinson

Tratamento Parkinson

Compartilhe com amor

Tratamento Parkinson: Devido à complexidade da Doença de Parkinson, o seu tratamento deve ser individualizado e mudar ao longo do tempo. Também exige uma abordagem interdisciplinar que pode incluir diferentes profissionais, como: Especialista em Desordem de movimento, Prestador de cuidados de Saúde primários, Enfermeiro, Nutricionista, Psicólogo, Fisioterapeuta, Terapeuta Ocupacional e Fonoaudiólogo.

Tratamento Parkinson

O tratamento do Mal de Parkinson ou o Tratamento da Doença de Parkinson. O tratamento é baseado em uma série de fatores, incluindo

  • Sintomas Atuais,
  • A Idade do Paciente,
  • Perfil de Efeitos Colaterais e
  • Atividade Diária do Paciente.

O Tratamento de Parkinson, para a Doença de Parkinson ou o Mal de Parkinson, tem como objetivo principal aliviar os sintomas e retardar a progressão da Doença de Parkinson, pois ainda não há cura.

Embora não exista nenhum tratamento que possa impedir a progressão da doença, os sintomas podem ser bem controlados.

É Verdade que Ainda não existe Cura para o Parkinson?

É Verdade que Ainda não existe Cura para o Parkinson? Resposta, SIM! é verdade. O tratamento de Parkinson, para o Mal de Parkinson ou para a Doença de Parkinson tem o Objetivo de aliviar os sintomas e retardar a progressão da Doença de Parkinson, pois ainda não há cura.

Várias classes de medicamentos estão disponíveis.

Carbidopa / levodopa é ainda o tratamento sintomático mais eficaz e pode ser utilizado em combinação com outras classes de medicamentos, incluindo agonistas da dopamina, inibidores de COMT, inibidores da enzima MAO-B, agentes anticolinérgicos e amantadina.

Em alguns casos o tratamento cirúrgico é indicado, mas isto também vai depender de vários fatores. O tratamento cirúrgico pode ser feito de duas maneiras:

Estereotaxia

é feita através de uma lesão microscópica em uma região do cérebro para alívio dos sintomas.

Estimulação Cerebral Profunda

A atividade física é fundamental. Os pacientes devem consultar um fisioterapeuta familiarizado com Parkinson e o seu programa físico deve incluir exercícios cardiorrespiratórios, de resistência, de flexibilidade, além de marcha e treinamento de equilíbrio.

A dieta deve ser saudável e incluir frutas, vegetais, carnes, cereais e massas em quantidades equilibradas. Se o paciente se sentir triste ou deprimido, deve comunicar ao seu médico, pois ele poderá medicá-lo adequadamente ou encaminhá-lo a um profissional da área.

Mas o tratamento não é completo sem o apoio da família. Ela tem um papel fundamental na vida do paciente com doença de Parkinson no sentido de sempre apoiá-lo e ampará-lo nos momentos difíceis e também estimulá-lo para que participe de atividades sociais.

Terapia Física Terapia Ocupacional e de Fala

Terapeutas físicos, ocupacionais e da fala podem ser parceiros importantes no tratamento da doença de Parkinson. A fisioterapia pode melhorar sua marcha e direcioná-lo para o regime de exercícios certo. A terapia ocupacional pode ser útil para maximizar suas habilidades motoras finas. A terapia da fala pode ser útil para lidar com as barreiras da fala e da linguagem que podem surgir com a doença de Parkinson.

A opção cirúrgica: Estimulação Cerebral Profunda

Alguns pacientes com doença de Parkinson podem se beneficiar da estimulação cerebral profunda (DBS), uma terapia cirúrgica aprovada pela FDA há mais de uma década. O DBS envolve a implantação de um eletrodo em uma área específica do cérebro, geralmente o núcleo subtalâmico (STN) ou o globus pallidus interno (GPI).

Os implantes podem ser feitos de um lado ou de ambos os lados do cérebro, conforme necessário. Os eletrodos são estimulados por meio de uma conexão com um dispositivo semelhante a marca-passo localizado sob a pele no peito. Os pacientes considerados bons candidatos para esse procedimento são aqueles com resposta robusta à Levodopa, sem problemas cognitivos ou psiquiátricos significativos e sem problemas significativos de equilíbrio.

O procedimento pode ajudar pacientes com tremores resistentes a medicamentos. Também pode ajudar pacientes com flutuações motoras significativas nas quais a resposta à medicação varia durante o dia e discinesias ou movimentos extras podem ocorrer como efeito colateral da medicação.

Mudanças de estilo de vida

Uma dieta saudável pode aumentar a energia, maximizar o potencial dos medicamentos e promover o bem-estar geral. Clique aqui para revisar um webinar intitulado Viver bem todos os dias que analisa os princípios de boa nutrição para a doença de Parkinson.

Um programa de exercícios adequado pode incluir exercícios cardiorrespiratórios (treinamento físico), exercícios resistidos (treinamento de força), exercícios de flexibilidade (alongamento) e treinamento de marcha e equilíbrio. Leia mais sobre exercícios e Parkinson no guia Be Active da APDA.

Clique aqui para revisar o Webinar intitulado Mantendo-se Saudável, Mantendo-se em Forma para obter ainda mais informações sobre exercícios e DP. Para saber mais sobre os novos desenvolvimentos na pesquisa sobre exercícios, assista à apresentação da Dra. Teresa Ellis no Fórum da Costa Oeste da APDA, The Impact of Exercise & Parkinson’s Disease:

 

Referências Consultadas para Artigo

Compartilhe com amor
Da Redação

Deixe sua mensagem