• (11) 3522-9515

Ultrassom Doppler Transcraniano: Técnica e Aplicação

Ultrassom Doppler Transcraniano: Técnica e Aplicação

Compartilhe com amor

Ultrassom Doppler Transcraniano: Técnica e Aplicação: O ultrasom Doppler Transcraniano (TCD) fornece medidas rápidas, não invasivas e em tempo real da função cerebrovascular. O TCD pode ser usado para medir a velocidade do fluxo nas artérias basais do cérebro para avaliar mudanças relativas no fluxo, diagnosticar estenose vascular focal ou detectar sinais embólicos nessas artérias.

Ultrassom Doppler Transcraniano (TCD)

Twitter Médico Recomendado para Doppler em São Paulo

O TCD também pode ser usado para avaliar a saúde fisiológica de um determinado território vascular medindo as respostas do fluxo sanguíneo às mudanças na pressão arterial (autoregulação cerebral), alterações no CO2 final (vasorreatividade cerebral) ou ativação cognitiva e motora (acoplamento neurovascular ou hiperemia funcional). O TCD estabeleceu utilidade no diagnóstico clínico de uma série de distúrbios cerebrovasculares, como acidente vascular cerebral isquêmico agudo, vasoespasmo, hemorragia subaracnóidea, doença falciforme, bem como outras condições como a morte cerebral. A indicação clínica e os aplicativos de pesquisa para este modo de imagem continuam a se expandir.

Nesta revisão, os autores resumem os princípios básicos e a utilidade clínica da TCD e fornecem uma visão geral de alguns aplicativos de pesquisa TCD.

Ultra-sonografia do Doppler Transcraniano

A ultra-sonografia do Doppler Transcraniano (TCD) fornece uma medição em tempo real relativamente não dispendiosa e não invasiva das características do fluxo sangüíneo e hemodinâmica cerebrovascular dentro das artérias basais do cérebro. Os dados fisiológicos obtidos a partir dessas medidas são complementares aos dados estruturais obtidos de vários modos de imagem vascular atualmente disponível. O TCD é a maneira mais conveniente de monitorar as alterações vasculares em resposta a intervenções durante eventos agudos de cérebro vascular ao lado da cama. Dada a conveniência desta ferramenta como uma modalidade de diagnóstico, suas aplicações clínicas e de pesquisa continuarão a aumentar nos muitos distúrbios do vaso cerebral. Ultrassom Doppler Transcraniano. Foursquare Doppler

Princípios Básicos

A ultra-sonografia do TCD baseia-se no princípio do efeito Doppler. De acordo com este princípio, as ondas de ultra-som emitidas pela sonda Doppler são transmitidas através do crânio e refletidas pelo movimento dos glóbulos vermelhos dentro dos vasos intracerebrais. A diferença na freqüência entre as ondas emitidas e refletidas, denominada

“Frequência de deslocamento doppler”

é diretamente proporcional à velocidade dos glóbulos vermelhos em movimento (velocidade do fluxo sanguíneo). Como o fluxo sanguíneo dentro do vaso é laminar, o sinal Doppler obtido realmente representa uma mistura de diferentes mudanças de frequência Doppler formando uma exibição espectral da distribuição das velocidades dos glóbulos vermelhos individuais no monitor TCD (Fig. 1) .1,2 A análise espectral pode então ser usada para obter medidas da velocidade do fluxo sanguíneo, bem como algumas outras características de fluxo dentro do vaso sanguíneo insonado. Ultrassom Doppler Transcraniano.

Os parâmetros específicos obtidos a partir desta análise espectral incluem velocidade sistólica de pico (Vs), velocidade diastólica final (Vd), tempo ascendente sistólico ou tempo de aceleração, índice de pulsatilidade (PI) e velocidade máxima média calculada no tempo (Vmean) .3 O Vmean é um traço contínuo de velocidades de pico em função do tempo e na maioria dos instrumentos TCD, ele é calculado e exibido automaticamente.

A velocidade de propagação de uma onda é uma constante que pode ser obtida para vários meios (a velocidade no tecido macio é de 1541 m / s). Theta (θ) é o ângulo de insonação ou o ângulo da onda emitida em relação à direção do vaso (fluxo sanguíneo). Ultrassom Doppler Transcraniano. Se o ângulo é zero, ou a onda emitida é paralela à direção do fluxo, o coseno de zero é 1 e alcançamos a medida mais precisa da velocidade do fluxo.

Quanto maior o ângulo, maior é o coseno do ângulo; portanto, o maior é o erro em nossa medida de velocidade. Portanto, é importante minimizar esse ângulo para menos de 30 graus para manter o erro abaixo de 15%. Além disso, a velocidade do fluxo sanguíneo através de um vaso é proporcional à quarta potência do raio do vaso. No entanto, a suposição básica para as medições de TCD é que o diâmetro do vaso insonado não muda durante o curso de um estudo e permanece constante em resposta a várias variáveis ​​fisiológicas, como pressão arterial ou alterações na também foi mostrado, que pode ocorrer facilmente como resultado do tratamento

Determinantes Fisiológicos da Velocidade e Índices do Fluxo Sanguíneo

Uma série de variáveis ​​fisiológicas podem afetar a velocidade do fluxo sanguíneo, conforme medido pelo TCD. A mais robusta dessas variáveis ​​é idade, gênero, hematócrito, viscosidade, dióxido de carbono, temperatura, pressão arterial e atividade mental ou motora. Portanto, é importante lembrar que, durante o curso de um estudo TCD, Ultrassom Doppler Transcraniano, a velocidade deve ser interpretada no contexto dessas variáveis. Todos os estudos devem ser conduzidos com os pacientes em repouso – não falando ou movendo seus membros.

Doppler Transcraniano 

As velocidades do fluxo sangüíneo nas artérias basais do cérebro diminuem a média de 0,3 a 0,5% ao ano entre 20 a 70 anos.7-9

As mulheres mostraram velocidades de fluxo maiores que os homens entre 20 a 60 anos de idade, 7 e esta diferença pode ser explicada pelo menor hematócrito em mulheres pré-menopáusicas.9

A magnitude da diferença de gênero nesta faixa etária é de 10 a 15% .10 No entanto, nenhuma diferença detectável entre os sexos é observada após a idade de 70 anos. 7

Você sabe o que faz um Neurologista?

O hematócrito e a viscosidade estão inversamente relacionados à velocidade do fluxo sanguíneo cerebral.11-14 Essa relação é melhor exemplificada em crianças com anemia falciforme que apresentam uma queda significativa nas velocidades do fluxo sanguíneo após uma transfusão de sangue.15 As velocidades do fluxo sanguíneo aumentam em ~ 20% com uma queda no hematócrito de 40% para 30% .10

A pressão parcial de CO2 mostrou ter uma grande influência na velocidade do fluxo sanguíneo cerebral,16 (para uma revisão detalhada deste tópico, consulte a seção Vasoreatividade Cerebral). A velocidade medida do fluxo sanguíneo também pode ser maior com pressões sanguíneas sistêmicas mais elevadas, apesar de um sistema autorregulador.17

Esta relação é particularmente importante em pacientes com hemorragia subaracnóidea (SAH) que são monitorados para vasoespasmo cerebral como demonstrado pela velocidade elevada do fluxo sangüíneo cerebral e quem pode simultaneamente sofrendo hipertensão induzida para tratar o vasoespasmo. A análise das medidas de velocidade é particularmente desafiadora nesses pacientes. Ultrassom Doppler Transcraniano

O Ultrassom Doppler Transcraniano é totalmente indolor e não invasivo, o exame pode ser repetido várias vezes, sem nenhum risco ao paciente, mesmo se ele estiver com febre ou dormindo. É recomendado que lentes de contato, brincos e acessórios metálicos sejam retirados antes do exame. – Dr Daniel Azevedo Neurologista

O efeito da temperatura nas velocidades cerebrais do fluxo sanguíneo não está bem estabelecido.Embora um estudo tenha mostrado uma relação inversa entre a temperatura e as velocidades do fluxo, 18 um estudo mais recente sobre as velocidades do fluxo de TCD em pacientes com parada postal, tratados com hipotermia, não suporta uma relação entre a temperatura e as velocidades do fluxo.19 Mais estudos são necessários para entender melhor o relacionamento entre a velocidade do fluxo sanguíneo e a temperatura.

 


Compartilhe com amor
Da Redação

Deixe sua mensagem